quarta-feira, janeiro 14, 2009

Sobre humanos

Na minha vida, aprendi que a dor que realmente dói é aquela que suportamos sozinhos, no claustro de um quarto, numa viagem curta de carro com as janelas fechadas, já sentados na poltrona do avião rumo ao destino, diante de um espelho embaçado. As outras, que até nos levam às lágrimas e nos fazem gemer, não são dores, são incômodos, acidentes, mas enquanto houver alguém que nos acolha, que nos acalme e nos afague, e que nos lembre que sempre vale a pena lutar, persistir e vencer, porque estas mesmas pessoas estão lá para serem felizes com a nossa vitória, poucas coisas realmente graves podem nos derrubar. E é uma pena como demoramos muito tempo para entender isso.

Um comentário:

Thiago disse...

É isso mesmo, queridona. Nada melhor nas viagens da vida do que uma boa companhia e alguém para dizer que vale a pena seguirmos adiante. Beijo grande.