segunda-feira, junho 16, 2008

Problemas urbanos 9:

crianças pentelhas.
Quem não conhece nenhuma é porque nunca sai de casa e mora em um lugar isolado, sem alma alguma por perto. Se não houvesse limite de idade em casas noturnas, elas com certeza estariam lá, derrubando bebidas e chorando mais alto do que a seleção do DJ. Isso porque uma criança pentelha sempre porta a tiracolo um adulto banana, a quem geralmente chama de pai ou mãe. Esta figura, que equivocamente é também designado por "responsável", é quem dirige o carro e paga a entrada para ter certeza de que o programa que tinha tudo para ser legal vai ganhar traços de briga de feira; isso porque ele acha o capetinha que ele mesmo produziu uma graça, inofensivo, então o resto do mundo vai ter que achar o mesmo, não importa quão difícil seja de convencer a todos.
Mas essas pequenas pragas não se limitam a concertos, shows, cinemas, restaurantes; eles não ignoram trajetos de ônibus, banheiros de shopping e até mesmo salões de embarque de aeroporto ( e aí é pior, porque a criança vai te acompanhar numa a viagem inteira dentro de ambiente sem janelas, uniformes descabidos, inglês ruim com sotaque paulista e barrinhas de cereal servidas com suco de laranja artificial).
E, já que foi educado em sua infância e sabe que não tem que tolerar quando um desses quer vir sapatear no seu pé ou gritar no seu ouvido, se decidir reclamar com o pentelhinho, ainda é passível de escutar um "com o meu filho reclamo eu!" ou "mas é só uma criança". E esses são os dois argumentos mais furados que há nesta situação. Se você reclamasse com o seu filho, dona, ninguém mais teria que fazer; e quanto a ser só uma criança, nunca assistiu A profecia?

2 comentários:

Criptor disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
xistosa - (josé torres) disse...

O português tem destas coisas.
Tive que ir ao dicionário verificar o que, (pela leitura, nos induz), o que era uma "criança pentelha".
É que por aqui tem outra conotação.
Por isso é que nunca acreditei no acordo ortográfico!