sexta-feira, janeiro 23, 2009

Aposto que o Barack concorda.

Aliás, aproveitando o momento histórico, cansei desse papo de "afro-descendente". Acho que não tem nada pior. Ninguém fala que "a Kath é ítalo-descendente", ou sírio-descendente, ou hispano-descendente. Se, por acaso, alguém um dia vier a falar que sou afro-descendente (sim, sou um cão vira-lata) vou brigar.
Se quiser, me chama de neguinha, negona, preta, rosada-escura, marrom-bombom, mas nada de qualquer babaquice politicamente correta. Importa mesmo é a maneira e a conotação que damos, pouco importa o termo.

E, enquanto ainda também é relevante, aqui eu achei uma retrospectiva maravilhosa (até onde isso é possível) sobre (dá até gosto de falar) o ex-presidente W.C. Bush. Foi lá também que vi aquela foto ótima do post abaixo.

Um comentário:

xistosa - (josé torres) disse...

O mundo perdeu um grande comediante, mas perigoso, porque deslocava-se, a 4, com as mãos no chão.

Que se feche no rancho e escreva o livro que prometeu.

Será que sabe escrever ? Ou vai ter acessores?

Por falar em comediante, veja este que se perdeu há cerca de 3 anos, aqui.