terça-feira, fevereiro 10, 2009

Sonho bom

Outro dia eu sonhei com o Clint Eastwood. Sério, eu conversava com ele. Eu tinha sido convidada para um coquetel super bafafá em um hotel, cheio daquele tipo de gente chata e besta que pega salgadinho da mesa para por no bolso, sabe?
Eu lá, entediada, me aproximo da mesa do buffet para pegar qualquer coisinha e vejo ele, o diretor de alguns dos fimes que mais gosto, do outro lado, num belíssimo smoking. Respirei fundo, olhei para o outro lado e segurei a taça com as duas mãos para parar de tremer, tudo para parecer que eu agia normalmente. Aí ele fez um comentário qualquer bem-humorado, eu respondi, agradeci internamente pela minha presença de espírito não ter me abandonado, e conversamos mais um pouco.
Até que uma hora ele se retirava para o quarto dele, eu fui atrás, bati na porta, ele me atendeu e eu disse:
— Desculpe incomodá-lo, mas há só duas coisas que eu queria lhe dizer.
E eu falava sobre como foi bom ele não ter acatado o meu conselho, a isso ele riu, e depois eu dizia sobre como a Academia devia promovê-lo. Ele sorriu, muito lisonjeado pela minha proposta. E então, assim, lembrando de um filme e outro, eu acordei. E ai fiquei muito chateada, não por ter acabado meu sonho com ele, afinal, eu já estava mesmo encerrando o assunto, não ia ficar alugando-o para sempre. Mas, poxa, precisava mesmo deixado-o falando sozinho? Ainda bem que foi um sonho. Já pensou a péssima impressão que ele ficaria de mim?

Um comentário:

Márcio Silva disse...

Não é bom fazer isso com alguém que carregar uma Magnum 44!